REUNIÃO REGIONAL DO CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/CNAS EM MATO GROSSO DO SUL

Campo Grande (MS) – Representantes do Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul discutem até amanhã (21.11), em Campo Grande, o atual cenário da política de assistência social na região, bem como orçamento nacional e planos estaduais e municipais que conduzem a política específica. O encontro faz parte das reuniões regionalizadas do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS).

Na abertura do evento, realizada na Escola do SUAS/MS “Mariluce Bittar”, o secretário em exercício da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), Adriano Chadid, destacou a importância do momento e das discussões que visam o debate em torno da assistência social. “Sem dúvida é um momento em que cada vez mais precisamos estar unidos em prol da política de assistência social. Quando juntos traçamos metas e sabemos onde desejamos chegar é bem mais fácil compreendermos o caminho no qual estamos trilhando e assim alinharmos falas e objetivos que no fim sempre resultarão em serviços dignos e de qualidade para a nossa população”, pontuou.

Para a vice-presidente do CNAS, Karoline Ferreira, um dos maiores desafios da política da assistência social é justamente no tocante ao orçamento federal para 2019. “Esse ano tivemos algo em torno de R$ 60 bi destinados aos serviços para a população, como benefícios e o Bolsa Família. Muitas vezes a sociedade recebe o serviço, sente falta quando não é prestado, mas não sabe que isso é proveniente da assistência social. Precisamos que cada vez mais nos unir para enfrentar esses desafios”, explicou.

Conforme o CNAS existe a preocupação dos Conselhos de Assistência Social com o corte orçamentário previsto no Projeto de Lei Orçamentário Anual (PLOA 2019) um dos assuntos a serem discutidos em face à nova conjuntura nacional.

De igual forma discutindo o problema, o Fórum Nacional de Secretários (as) de Estado da Assistência Social (Fonseas), que é presidido pela titular da Sedhast, Elisa Cleia Nobre, divulgou carta em defesa da recomposição do orçamento para o setor em 2019.